julho 2009


Frio Antárctico e calor dos pinguins

Frio Antárctico e calor dos pinguins

Em todos desafios que realizei até aqui, esse será um dos mais especiais pois sei que com meu esforço vou gerar benefícios diretos a outras pessoas.
Posso estar sem patrocínio, mas tenho certeza que com essa ação vou cruzar os EUA com muito prazer e determinação pois vou estar levando o carinho e a torcida das pessoas. serão 5.000km em 60 dias dormindo em barraca, acompanhado pelo ciclista Francisco Antonio de 38 anos da Paraiba.A ideia é fazermos uma festa no mês de novembro em convidar todos os colaboradores a visitarem o GRAACC.

CAMPANHA COMPRE QUILOMETROS E COLABORE COM O GRAACC :

CADA KM CUSTA R$ 20,00 e 20% DO VALOR SERÁ DOADO PARA O GRAACC.
PARA PESSOA JURÍDICA A COMPRA ACIMA DE 50 KM DARÁ DIREITO DA DIVULGAÇÃO DA MARCA NO UNIFORME E BLOG.
Conta para depósito BANCO REAL CONTA CORRENTE 8728393-6 AGÊNCIA 0373 FAVORECIDO Carlos R L Dias
email para contato: carlosdias12@hotmail.com e cel 11 7439 4151

Um grande abraço
Carlos Dias

Carlos Dias cruzando o Brasil

Carlos Dias cruzando o Brasil

Carlos Dias percorre os Estados Unidos de ponta a ponta em setembro

Depois de cruzar o Brasil do Oiapoque ao Chuí, o brasileiro Carlos Dias vai correr nos Estados Unidos. O desafio dele dessa vez é percorrer o país norte-americano de costa a costa.

A jornada começa no dia cinco de setembro na cidade de São Francisco e termina depois de 60 dias, no dia cinco de novembro, em Nova York. De acordo com o atleta, ele pretende correr 90 quilômetros por dia num total de cinco mil quilômetros.

Todo o trajeto será feito pela rota 80 e Carlos Dias vai contar com o apoio de um ciclista durante todo o percurso. De acordo com o atleta, para ajudar o custeio de sua viagem, ele irá vender cada quilômetro de seu desafio por R$20. Desse dinheiro, 20% será revertido para o Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAACC).

Além disso, Carlos Dias revelou que durante o desafio, ele também terá a companhia de alguns atletas. O primeiro deles é o atleta americano Dean Karnazes, que vai largar junto com o brasileiro.
Interessados em comprar quilômetros enviar email para carlosdias12@hotmail.com informando a quantidade que deseja comprar. Banco Real conta corrente 8728393-6 agência 0373 favorecido Carlos R L Dias.

Fonte Webrun

As cores da natureza

As cores da natureza

Criança se lambuza com açaí

Criança se lambuza com açaí

violência

violência

descontrole

descontrole

Amigos gostaria de compartilhar essa matéria que fala da minha travessia do Brasil em 2007, estou buscando inspiração nessa travessia para cruzar os EUA,mas queria relembrar um pouco do que vivi durante os 100 dias nas estradas brasileiras.

Cemdias percorrendo o desconhecido brasileiro do Oiapoque ao Chuí, o ultramaratonista
Carlos Dias, revela o estado de alerta em que se encontra o país.

O sol forte do Sertão e o vento gelado que corta o rosto no Sul, o cheiro suave da mata verde e o arder nos olhos com a fumaça das queimadas ou ainda a generosidade do sertanejo que sofre com a seca e a fome, são contrastes revelados ao longo de todo território brasileiro. Terra farta que oculta suas tristezas em lugares esquecidos pela visibilidade.

Paradoxos que o ultramaratonista Carlos Dias viu a cada passada enquanto percorria 9 mil quilômetros que separam o Oiapoque, no Amapá, ao Chuí, no Rio Grande do Sul, distância alcançada entre os dias 27 de maio e 3 de setembro, do ano de 2007.

Formado em administração e especializado na área de treinamento de pessoas, o atleta que começou a correr para competições aos 15 anos de idade, encarou cem dias de ‘pé na estrada’ com determinação, enfrentando o cansaço, as dores, os medos e a saudade. Tudo isso por um sonho: conhecer o Brasil sem máscaras ou edições. “Meu desafio era sentir na pele a problemática do povo brasileiro e fazer isso da maneira que todos achavam impossível: correndo” – declara Dias.

Para isso, sua trajetória foi minuciosamente traçada pelos locais mais afastados, correndo pelo interior dos Estados de Amapá, Pará, Tocantins, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e, por fim, Rio Grande do Sul.

Por três anos se preparou e planejou cada detalhe desta aventura, pesquisando a história das principais cidades que iria percorrer, levantando possíveis patrocinadores e apoiadores. “Entrei em contato com empresas, lojas, prefeituras, departamentos de polícia, mas muitos me chamaram de louco e não me deram crédito. Quando consegui o primeiro patrocínio foi uma vitória” – disse Dias.

Contudo, boa parte da viagem, Dias fez sem escolta, dependendo do auxílio de moradores. “Por vezes, dormi sozinho em uma rede na beira da estrada ou mesmo nas casas dos nativos. Isso não somente por falta de apoio institucional local, mas por deficiência na infra-estrutura de algumas cidades que sofrem com a falta de saneamento básico, transporte, alimentação, moradia e segurança” – revela.

Brasil sem cores

Foram cerca de 500 cidades com histórias e realidades diversas mostrando um Brasil de paisagens muitas vezes sem cores.

Entre um acidente e outro que presenciava durante as corridas, ele lembra que na região do Pará viu muitas pessoas doentes à espera do barco de uma ONG estrangeira, que faz atendimento médico em algumas regiões ribeirinhas. “Não fosse o barco, muitos morreriam sem atendimento, pois falta transporte para deslocá-los aos centros das cidades” – ressalta.

Nessa região, Dias também se chocou com a exploração das famílias que dependem do trabalho com a castanha. “Quando alguém compra castanha-do-pará não imagina o quanto aquele saquinho cheio custou. Famílias inteiras se sacrificam para colher e preparar a semente e, enquanto recebem o mínimo, aqueles que as vendem para exportação, recebem o triplo” – alerta.

Segundo ele, a população desses locais, onde impera a exploração, também sofre com a forte marca da violência. Em seu diário de bordo, Dias revelou essa preocupação ao escrever: “Estou enfrentando uma região que tem muitos assaltos e mortes. Pistoleiros agem durante o dia roubando e matando as pessoas”. Apreensão justificada após ser assaltado ao fazer uma refeição em um bar à beira da estrada. “A sorte foi que deixei a mochila embaixo da mesa e eles não perceberam”.

Dias ainda desabafa ao relatar uma cena assustadora. “Vi vários fornos na beira da estrada queimando madeira e crianças de cinco ou seis anos trabalhando nesse verdadeiro inferno. A cada dia tentava me controlar para não chorar, mas isso era impossível diante de tanta injustiça”.

Mas não foi somente em áreas isoladas onde ele se impressionou. Não muito longe dos grandes centros, constatou que existem pessoas em situações precárias sem nenhum tipo de auxílio. Ele conta que, a alguns quilômetros de Florianópolis, passou por um rio cheirando esgoto onde pescava um casal com uma criança. Ao perguntar o porquê pescavam ali ouviu que aquela era a única forma de alimentação possível pra eles.

A esperança

Mas cenas felizes também marcaram sua aventura. Para o administrador que ousou correr pelo Brasil, nada supera a imagem do sorriso das crianças indígenas, o som dos pássaros, que sobrevoam a mata fechada, rasgada somente pelos rios cristalinos ou as dunas de areia branca que desembocam em piscinas transparentes. “As belezas desta terra e deste povo ofuscaram as coisas negativas que vi” – revela.

Além disso, a alegria do povo, mesmo diante de tantas dificuldades, também marcou muito essa aventura e o motivava a cada cidade. “Fui muito bem recebido na maioria dos locais que passei, mesmo a discriminação racial que sofri, não foi superada pela recepção dos brasileiros” – diz Dias.

Em contrapartida, o atleta contribuiu ministrando palestras motivacionais em escolas, associações comunitárias e ONGs. “O cérebro é treinado nas dificuldades, pois é quando precisa desenvolver e criar soluções. Por isso é importante que o indivíduo esteja sempre em busca de novos conhecimentos para não se deixar cair na zona de conforto. Ele tem que se indignar! E a falta dessa inquietação que faz com que muitos permaneçam na situação de miséria, não só física, mas da alma” – destaca.

Seguindo aquilo que ele mesmo prega em suas palestras, o ultramatonista já faz planos para uma próxima aventura pelo país. Dessa vez seu percurso terá um cunho ambiental. Por enquanto, ele vai reunindo suas lembranças em um livro para que tudo o que presenciou sirva como alerta às autoridades e principalmente, àqueles que estão inertes

Fonte : Revista Neomondo

Força e Coragem

Força e Coragem

Você se considera uma pessoa de coragem?

E, se tem coragem, também tem força o bastante para suportar os desafios da caminhada?

Em muitas ocasiões da vida, não sabemos avaliar o que realmente necessitamos: se de força ou de coragem.

E há momentos em que precisamos das duas virtudes conjugadas.

Há situações que nos exigem muita força, mas há horas em que a coragem se faz mais necessária.

Eis aqui alguns exemplos:

É preciso ter força para ser firme, mas é preciso coragem para ser gentil.

É preciso ter força para se defender, mas é preciso coragem para não revidar.

É preciso ter força para ganhar uma guerra, mas é preciso coragem para se render.

É preciso ter força para estar certo, mas é preciso coragem para admitir a dúvida ou o erro.

É preciso ter força para manter-se em forma, mas é preciso coragem para ficar de pé.

É preciso ter força para sentir a dor de um amigo, mas é preciso coragem para sentir as próprias dores.

É preciso ter força para esconder os próprios males, mas é preciso coragem para demonstrá-los.

É preciso ter força para suportar o abuso, mas é preciso coragem para faze-lo parar.

É preciso ter força para fazer tudo sozinho, mas é preciso coragem para pedir apoio.

É preciso força para enfrentar os desafios que a vida oferece, mas é preciso coragem para admitir as próprias fraquezas.

É preciso força para buscar o conhecimento, mas é preciso coragem para reconhecer a própria ignorância.

É preciso força para lutar contra a desonestidade, mas é preciso coragem para resistir às suas investidas.

É preciso força para enfrentar as tentações, e é preciso coragem para não cair nas suas armadilhas.

É preciso ter força para gritar contra a injustiça, mas é preciso muita coragem para ser justo.

É preciso força para pregar a verdade, mas é preciso coragem para ser verdadeiro.

É preciso força para levantar a bandeira da paz, mas é preciso coragem para construí-la na própria intimidade.

É preciso ter força para falar, mas é preciso coragem para se calar.

É preciso força para lutar contra a insensatez, mas é preciso coragem para ser sensato.

É preciso ter força para defender os bens materiais, mas é preciso coragem para preservar o patrimônio moral.

É preciso ter força para amar, mas é preciso coragem para ser amado.

É preciso ter força para sobreviver, mas é preciso coragem para aprender a viver.

Enfim, é preciso ter muita força para enfrentar as batalhas do dia-a-dia, mas é preciso muita coragem moral, para vencer-se a si mesmo.

Força e coragem: duas virtudes com as quais podemos conquistar grandes vitórias. E a maior delas é a vitória sobre as próprias imperfeições.

***

A coragem de vencer-se antes que pretender vencer o próximo, de desculpar antes que esperar ser desculpado e de amar apesar das decepções e desencantos revela o legítimo homem de valor.

Por essa razão a coragem é calma, segura, fonte geradora de equilíbrio que alimenta a vida e eleva o ser aos altos cumes da glória e da felicidade total.

Fonte: Momento reflexão

Carlos Dias busca patrocínio

Carlos Dias busca patrocínio

“Comprometa-se com atingir o sucesso e não permita que a paixão o abandone;comunique-se com as pessoas e mostre interesse por elas; valorize e reconheça os esforços das pessoas e os resultados obtidos; celebre suas conquistas e também as dos outros; escute as pessoas e aprenda com suas idéias; supere as expectativas das pessoas fixando padrões cada vez mais altos; controle suas despesas e economize em prol de sua prosperidade;nade contra a corrente,seja diferente e desafie o status quo”.
Sam Walton

Estou em um novo projeto, que é cruzar os EUA, de Oeste a Leste serão 5.000km em 60 dias, terei um ciclista comigo para ser meu staff, vamos dormir em uma barraca e saco de dormir, teremos comida liofilizada e roupas para o frio,e para enfrentar chuvas.
Vamos sair da cidade de São Francisco seguir pela rota 80 e chegar em Nova Iorque no dia 01 de novembro dia da maratona mais famosa do mundo,a maratona de Nova Iorque,teremos a cobertura da rede CNN NEWS durante nossa passagem nas cidades e também terei atletas americanos me acompanhando em alguns trechos do percurso. Inclusive o atleta Dean Karnazes que mora em São Francisco e que eu tenho uma grande amizade.
Cruzar os EUA também irá gerar benefícios a uma entidade que trabalha com crianças com cancer o GRAAC, tudo que for arrecadado com patrocínio e apoio 20% será doado para o GRAAC.
Para quem se interessar em comprar uma cota de patrocínio favor entrar em contato através do email: carlosdias12@hotmail.com ou pelo tel: 11 7439 4151

Um grande abraço
Carlos Dias

Encorajando crianças

Encorajando crianças

“Ninguém sente dor de cabeça guando está encorajando alguém”. Provérbio Indiano

“Você pode falar o quanto quiser acerca de diamantes,ou dinossauros,ou de pérolas gigantes.Sem dúvidas que são raros.Sem dúvida que é difícil encontrá-los.Você terá de penetrar sob montanhas,escavar antigos leitos de lagos,ou mergulhar nas sombras profundas de lagoas misteriosas.
Tão raro quanto isso e muito mais valioso é o encorajamento,a motivação.
O encorajamento é espantoso.Pense nisto:ele tem a capacidade de levantar os ombros de um homem ou de uma mulher.De acender um sorriso no rosto de uma criança desanimada.De trazer fogo novo para as brasas abrandadas de um sonho que se vai apagando.De realmente mudar o curso do dia…da semana… ou da vida de outro ser humano.
As pessoas que se encorajam são cordiais.Você é?
O âmago da palavra cordial é a palavra coração.O âmago do coração é kardia,termo grego que na maioria das vezes refere-se ao centro da vida interior de alguém; a fonte ou a sede de todas as forças e funções de nosso interior,assim,guando pensamos em ser cordiais,pensamos em algo que vem do íntimo e se relaciona com o centro da própria vida.Talvez seja por isso que o dicionário define assim a palavra cordial:”…de ou relacionamento com o coração ,que tende a reviver,animar ou revigorar,sincero,gracioso…”
Ser cordial,literalmente,brota do coração.Sua origem começa com a crença,profundamente arraigada,de que o outro sujeito é importante,verdadeiramente significativo,merecedor de minha atenção integral e de meu interesse incomparável,mesmo que o seja por uns poucos segundos.Quando a cordialidade é estimulada por tal crença,então ele predispõe a ser sensível aos sentimentos dessa pessoa.
Se uma pessoa está inquieta e na defensiva,a cordialidade alerta-me para colocá-la a vontade,para ajudá-la a sentir-se confortável.Se estiver acanhada,a cordialidade proporciona alívio.Se estiver entediada e aborrecida,a cordialidade estimula e revigora.Se está triste e melancólica,a cordialidade traz ânimo,ela faz reviver e rejuvenescer.

“Se tiver um elogio para dar a uma pessoa, esse é o momento pois ela não poderá ler a própria lápide depois de morta”

Fonte: livro Insight2

Carlos Dias Palestrante

Carlos Dias Palestrante

Data: 12/08/2009
Local: Kailash Concept Store Cidade: São Paulo / SP
Telefone: 7439 4151
Organizador: Carlos Dias

A palestra aborda, em uma história bastante envolvente e interativa, como a motivação, aliada a estratégias e à crença na vitória fizeram com que o atleta (ultramaratonista) e palestrante Carlos Dias conseguiu superar todas as adversidades para realizar seus sonhos.

A travessia de 4 desertos, nos climas mais extremos e inóspitos do mundo, enriquece ainda mais as lições de vida de Carlos, que podem não só ser usadas na vida pessoal como no âmbito empresarial, utilizando conceitos de planejamento, alcance de metas, gerenciamento de riscos, missão, visão, valores e muitos outros.

A palestra “Motivação para desafios” traz verdadeiras lições de como encarar a vida com o foco na realização de sonhos, acreditando, porém mantendo os pés no chão e colocando cada desafio diário como uma meta, buscando estratégias racionais para o alcance dos objetivos.

Visão

Missão

Valores

Crenças pessoais que determinam como lidamos com nossos sonhos, dia-a-dia, objetivos

Lidar com “nãos”

Busca contínua, mesmo com incerteza e riscos

Alcance da vitória.

Palestrante
Carlos Dias, 36 anos, é formado em administração de empresas e pós-graduado em psicologia organizacional – RH. Atuou na área de treinamento e atualmente dedica-se ao seu trabalho como atleta (ultramaratonista), palestrante e organizador de eventos esportivos e motivacionais. Carlos tem uma história de vida riquíssima, passando por árduos desafios desde a infância e até hoje dedicando-se à superação. Carlos já completou 64 maratonas e mais de 30 ultramaratonas. Já correu provas de 12, 24, 48, 72 e 144 horas.

Após completar o Circuito Racing the Planet, onde percorreu 4 desertos (GOBI-China, SAHARA-Egito, ANTÁRTICA-Pólo Sul, ATACAMA-Chile) o ultramaratonista brasileiro Carlos Dias entrou para o livro dos recordes Brasileiros como o “Primeiro brasileiro e sulamericano a completar os quatro desertos extremos, em menos de 12 meses”.

Cada deserto tinha 250km dividos em 6 etapas, para serem cumpridos em 7 dias. Participaram atletas de 32 países, onde cada participante era responsável por carregar sua alimentação para 7 dias, equipamentos de segurança, além do saco de dormir. Carlos, aos 36 anos, correu os quatro desertos mais extremos do planeta totalizando 1.000km em 300 dias.

O primeiro deserto foi o Gobi na China, considerado o mais úmido. Dias, começou a maratona em 08/06/2008 às 8 h da manhã e terminou 14/06/2008 às 11h17. Permanecendo 63h37m12s.

O deserto do Saara, no Egito, considerado o mais quente, foi o segundo concluído. A trajetória começou dia 26/10/2008 às 8h e teve fim dia 01/11/2008 às 12h30.

Do calor para o gelo, o terceiro deserto percorrido foi o da Antártica no Pólo Sul. O começo ocorreu dia 28/11/2008, sendo finzalizado no dia 30/11/2008. Na época em que o atleta permaneceu na Antártica não havia noite o que favoreceu o tempo para conclusão da terceira etapa.

Dia 29/03/2009, Dias atacou o quarto e último deserto, do Atacama no Chile. No dia 04/04/2009 terminou sua saga. “A Antártica exigiu muito pelo peso da neve e ventos fortíssimos, mas o deserto mais exaustivo foi o Atacama, pois enfrentei um forte calor durante o dia (40ºC) e a noite a temperatura baixava para -2ºC. O solo mudava a cada hora, peguei pedras, sal, lama, água gelada, arbustos com raízes, muitas subidas e descidas e grutas, altitudes que chegavam a 6.000m. Esse deserto me deixou exausto”, conta.

Antes de enfrentar os 4 desertos, Carlos dias cruzou o Brasil. “Após ter cruzado o Brasil do Oiapoque ao Chuí (nove mil quilômetros em 100 dias), decidi que estava pronto a enfrentar ambientes ainda mais extremos”.

Em sua preparação para a aventura, correu nas trilhas da Serra da Cantareira, fez trabalho de fortalecimento muscular e resistência em piscina, além de acupuntura, massagens e um check-up de saúde completo. “Juntamente com Herói Fung, meu treinador, me preparei com estratégias mentais para visualizar cada ambiente onde iria correr”, explica o ultramaratonista.

Informações

Data:12/08/2009

Horário: 19h30

Carga horária: 75 minutos

Investimento: R$ 85,00 com direito a camiseta,certificado (haverá sorteio de brindes) limitado a 60 pessoas

Local: Kailash Concept Store Alameda dos Nhambiquaras,349 Moema

Valores

01 Participante – R$ 85,00

02 Participantes – R$ 170,00

03 Participantes – R$ 255,00

04 Participantes – R$ 340,00

05 Participantes – R$ 425,00

Inscrições
As inscrições podem ser feitas pelo portal Webrun até o dia 09 de Agosto, via cartões de crédito Visa ou MasterCard além de boleto bancário, veja:

Boleto Bancário – Inscrições até o dia 06/08/2009.

Cartões de Credito – Inscrições até o dia 09/08/2009.

Regulamento

É obrigatório apresentar documento de identidade.

É obrigatório apresentar comprovante de pagamento da inscrição.

No caso de menor de idade, prévia autorização do responsável legal.

O dinheiro da inscrição já paga não será devolvido em caso de desistência.

Em caso de solicitação de 2ª via de boleto bancário, será cobrado o valor vigente da inscrição.
Para informações sobre Regulamento acesse o site oficial do evento Clique Aqui.

Como comprar
Ao iniciar a sua compra você terá acesso aos meios de pagamento, certifique-se de não possui nenhum software (anti-popup) habilitado. Caso tenha ferramentas anti–popup habilitadas você não conseguirá acessar o meio de pagamento escolhido.

Isso acontece porque algumas barras de ferramentas fornecidas por sites como UOL, Google, Yahoo entre outras, possuem o anti–popup, nesse caso você deverá desabilitá-lo antes de continuar sua compra.

Aprovação de pagamento

Pagamentos via boleto bancário demoram até 2 dias úteis para serem aprovados.

Pagamentos via cartão de crédito são aprovados num prazo de 5 minutos.
Para verificar o status do seu pedido ou para refazer o pagamento do mesmo, caso tenha havido algum problema, acesse Meus Pedidos no site http://www.webventure.com.br com seu e-mail e senha. Lá você terá acesso a todos os detalhes de sua compra e poderá finalizar escolhendo uma das formas de pagamento disponíveis.

Duvidas sobre Inscrições Online

Telefone: 11 – 3868-2333

E-mail: inscricoes@webrun.com.br

Site: http://www.webrun.com.br

Importante
O portal Webrun é parceiro da organização do evento para vendas das inscrições online. Não nos responsabilizamos pelos acontecimentos que venham ocorrer no evento.

Próxima Página »