Criança Indígena

Criança Indígena

Crianças na China

Crianças na China

A Criança
Levantará o homem o próprio ninho a plena altura,estagiando no topo de gigantescos edifícios de cimento armado…
Escalará o fastígio da ciência,povoando o espaço de ondas múltiplas,incessantemente convertidas em mensagem de som e de cor…
Voará em palácios aéreos,cruzando os céus com a rapidez do raio…
Elevar-se-á sobre torres poderosas,estudando a natureza e o movimento dos astros…
Erguer-se-á,vitorioso,ao cimo da cultura intelectual,especulando sobre a essência do universo…
Entretanto se não descer,repleto de amor,para auxiliar a criança no chão do mundo,debalde esperará por uma humanidade melhor…
Na infância surge,renovado,o germe da perfeição,tanto quanto na alvorada recomeça o fulgor de um novo dia.
Estende os braços generosos e ampara os pequeninos que te rodeiam.
Estou disposto e entusiasmado a cruzar os EUA, juntamente com o Francisco Antonio para gerar benefício aos pequeninos e adoráveis amiguinhos do GRAACC.Por incrível que pareça a falta de patrocínios de grandes empresas não nos abala nesse momento pois a energia gerada vem do fundo da alma,sabemos que o esforço valerá a pena, sei que poderá gerar sorrisos e mais qualidade de vida a nossas crianças.

Cada KM custa apenas:    R$20,00 (20% vai ser doado para o GRAACC)

Contas para deposito:

  • Banco Real:  Agência 0373 – Conta Corrente 8728393-6 – Favorecido CARLOS R L DIAS
  • Banco Bradesco: Agência 2692-1 – Conta Corrente 0011327-1 – Favorecido CARLOS R L DIAS

Para PJ (Pessoas Jurídicas) na compra acima de 50 KM dá o direito de divulgar a marca no uniforme e blog .

VAMOS LÁ PESSOAL SERÃO 5.000KM EM 60 DIAS

UM ABRAÇO
Carlos Dias

Anúncios

Começo a me preparar para o deserto de sal no Atacama. Como eu fiquei alguns dias descansando, meu corpo sentiu um pouco a volta aos treinos. Ainda estou sentindo os efeitos da Antártida, tanto que ao correr pareço estar carregando um grande fardo.

063

Esses primeiros dias de preparação com o professor Paulão, Fabiana e Yoli da clinica Joaquim Grava já me fizeram sentir mais forte.  Estou muito motivado para chegar em março na minha melhor forma para enfrentar o quarto deserto e me tornar o primeiro sul americano a completar os 4 desertos.

Estou mais tranqüilo, pois a Crocs aprovou minha ida para o Atacama isso me deixa mais focado ainda. Aproveito para dar parabéns aos atletas que concluíram e os que tentaram completar a BR135 de 2009, em especial um forte abraço ao Herói Fung, por estar presente.

065

Vamos em frente pois só podemos tropeçar em algo maravilhoso ou não se estivermos em movimento.

Reblog this post [with Zemanta]

253Eu sonhei com o deserto do Sahara desde 2003, quando completei as mil milhas de Porto Seguro a São Bernardo do Campo-SP. Me lembro ter escrito em um papel que, gostaria de cruzar o Brasil correndo e após realizado esse sonho brasileiro, determinei que iria correr no deserto do Sahara. Mentalizei isso e eternizei no papel até surgir os 4 desertos que abriria a grande oportunidade de correr o Sahara.

Quando recebi a aprovação da Crocs como uma grande parceria, eu sabia que o sonho estaria muito perto. Fui para a China em junho correr o deserto de Gobi o mais alto e úmido do planeta, lá senti que o desafio de correr os 4 desertos seria imenso, mas consegui completar o primeiro deserto. Voltei determinado a mudar meus treinos e a fazer da minha força mental o meu maior parceiro para chegar no deserto do Sahara firme e determinado a enfrentar as condições adversas com o sorriso no rosto.

Os meus treinos basearam-se em correr nas ruas de São Paulo, na Serra da Cantareira, em uma esteira durante 24horas e nas praias de Ilhéus simulando correr nas areias do deserto. Também estudei as características do solo, umidade relativa do ar, temperatura e a altimetria do Sahara. Com isso passei a pensar firmemente no ambiente que iria enfrentar, a cada treino ou quando estava relaxando eu me imaginava sentindo o ambiente do deserto. Após fazer essa programação mental, a sensação era que eu estava lá.

Quando cheguei senti o solo, o cheiro, o calor e a umidade do ar e o impacto foi bem menor, mas as adversidades que se apresentavam diariamente eram enormes. No primeiro dia meus músculos sentiram bastante o esforço desprendido nas areias finas fofas do deserto, já no segundo dia foi o forte calor que me deixou exausto. Assim se seguiu dia a dia, parecendo uma eternidade cada etapa.

Eu usei a estratégia mental de correr as quatro primeiras etapas como se eu estivesse treinando para correr uma ultramaratona de 24 horas.Com isso fui melhorando a cada dia, e guando chegou o dia mais longo e perigoso eu segui juntamente com o Rodrigo Cerqueira, a passos entusiasmados e firmes,só parando 10 a 15 minutos a cada 11 km e uma parada de 25 minutos para preparar a comida antes de entrar na noite gelada do deserto.

Seguimos em frente recebendo no rosto o vento gelado com partículas de areias que nos alfinetava como agulhas, e o solo trocando a cada hora, ás vezes era areia fina que fazia os pés afundarem, ás vezes era pedras e areias e depois areia mais grossa que forçava ainda mais a musculatura. O frio da noite era enorme chegava a 4 graus inversos do forte calor encontrado durante o dia que chegou a 51 graus. Com esse panorama avistamos o acampamento exatamente as 4 e 17 da manhã meio desconfiados com os nossos próprios olhos, exaustos ouvimos gritos e aplausos, tínhamos conseguido o nosso objetivo, corremos 20 horas e 17 minutos sem dormir. Foi uma visão magnífica emocionante e um grande alívio por chegar ao acampamento sem lesão sem bolhas somente com o extraordinário cansaço que nos fazia mais lento em tudo, nesse momento voltamos a ser crianças, pois tínhamos vencido a parte mais cruel do deserto e faltam apenas 10% do objetivo total da prova. A emoção era maior que o cansaço, eu estava simplesmente em estado de graça, chorar se tornou algo banal naquela noite, era difícil segurar as lágrimas que teimavam em correr a minha face. Nesse momento lembrei-me do meu filho Vinícius da minha família e amigos que torciam pelo sucesso dessa empreitada.

No dia primeiro de novembro partimos para a última e mais rápida etapa, mas também me exigiu buscar forças do fundo da alma, corremos 5,9km em uma subida com areia fofa e um sol de meio dia escaldante. Eu sabia que mesmo correndo 248km  faltavam os 5,9km que poderiam custar a prova por isso tive que ter muita cautela e fiz os 5,9km em 30 minutos. Ao avistar as pirâmides do Egito tive uma sensação grandiosa, estava em um dos lugares mais antigos do mundo me senti nos filmes e documentários que assisti durante toda minha adolescência sobre os mistérios que guardam essas pirâmides, ouvia a música vinda da chegada, depois no final da subida um corredor de camelos montados por guardas, um tapete vermelho no fim a areia do deserto e muitos aplausos.

248

Era o momento sublime da vitória eu havia conseguido realizar o sonho de correr o deserto mais quente do planeta. Eu só conseguia dizer consegui, consegui, consegui. Recebi muitos abraços e minha tão desejada medalha que parecia bem mais pesada colocada lado a lado ao minha exaustão.O sorriso se misturou com as lágrimas de felicidade. Volto ao Brasil a imagem das dunas que me forçaram a ter mais controle dos músculos, das danças dos Beduínos e sua música e a alegria das crianças ao recebem das mãos dos atletas cadernos e canetas.As conversas na beira da fogueira entre atletas de 30 diferentes nações.

Levo comigo a lição eterna de que a natureza sempre será maior que o homem. Temos que respeitá-la e preservá-la. Em todos os dias eu pensei no meu filho Vinícius, em minha mãe e irmãs e nos amigos que torceram por mim enviando mensagens.
Um agradecimento especial a Crocs por apostar que eu posso conquistar os 4 desertos, e por me ajudar a manter minha qualidade de vida mesmo estando em ambientes tão extremos como o deserto do Saara..

“Ter força nas pernas é importante, ter uma alimentação rica em carboidratos e proteínas também mas ter a mente firme e entusiasmada fará você conquistar seu sonho”

A distância até a lua não é tão longa,as maiores distâncias que devemos percorrer estão dentro de nós mesmo.

Estou treinando em Ilhéus -BA até dia 15 de outubro, onde pretendo percorrer 160 km, ou seja 40 km por dia.

Quando volto a São Paulo começo a preparação a prova  de 32km em Atibaia, que vou usar também como último final de semana com os amigos e familia antes de viajar para o Sahara no Egito.

Lá vou enfrentar os 50 graus de calor e muitas dunas de areia, estou ancioso para esse momento onde vou realizar um sonho de correr em um dos lugares mais fascinantes e intrigante do mundo.

Espero fazer o melhor de mim e completar a prova para depois pensar no deserto da Antártida. Sei que vou quebrar muitos paradigmas interiores e avançar para conquistar mais um desafio.